SEDESC

Secretaria Mun. de Desen. Econômico, Ciência e Tecnologia, Turismo e Agronegócio

 
  • Imprimir
 

Pontos Turísticos



  • Roteiros de Compras Camelódromo
    Descrição:

    Centro Comercial Popular Marcelo Barbosa da Fonseca, para adequar em espaço único a atividade de cerca de 450 vendedores ambulantes da cidade.Situado nas proximidades do Mercadão, uma área que concentra o comércio tradicional da cidade, o Camelódromo, como ficou popularmente conhecido, foi inaugurado em 1998. Sua edificação ocupa um espaço com cerca de três mil metros quadrados, onde estão distribuídas barracas padronizadas para a comercialização dos mais diversos tipos de produtos.


    Localização: Avenida Noroeste, 5.089.

    Informações: (67) 3382-6714

    Atendimento: segunda a sábado, das 08 às 18h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros de Compras Feira Central
    Descrição:

    Um dos principais pontos de referência comercial e turística de Campo Grande é a Feira Livre Central. Até 1964 esse mercado livre passou por vários locais da cidade e, desde então, está instalada no seu endereço atual Rua 14 de julho São Francisco, s/n. Sedimentando sua localização e o período de atendimento ao público em determinados dias da semana, a Feira passou a oferecer, gradativamente, novas opções de comércio, como a venda de produtos importados do Paraguai e Bolívia, além de já tradicional variedade de produtos hortifrutigranjeiros. A degustação de pratos típicos da colônia japonesa, como o sobá, além do regional espetinho com mandioca, passou a caracterizar o local como o mais democrático ponto de gastronomia da cidade e importante atração turística da cidade.

    Localização: Esplanada da Ferrovia,
    Av. Calógeras / Rua 14 de Julho

    Informações: (67) 3324-8129

    Atendimento: quarta-feira e sexta-feira, a partir das 17h; sábado, a partir das 10h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros de Compras Mercado Municipal Antônio Valente (Mercadão)
    Descrição:

    O Mercado Municipal Antonio Valente, inaugurado em agosto de 1958, tem sua origem numa feira livre, um ponto de vendas de carnes e verduras que ocupava uma grande área margeando os trilhos da Noroeste, entre a Avenida Afonso Pena e a Rua 7 de Setembro. A feira funcionou, até o final doa anos 50, quando o terreno foi doado á Municipalidade. O chamado Mercadão passou a ser referência na comercialização de produtos hortifrutigranjeiros, peixes e especiarias tendo sido por longo tempo um dos poucos locais de comércio abertos ao público nos domingos pela manhã. È atualmente administrado pela Associação dos Mercadistas.


    Localização: Rua 7 de Setembro, nº 65.

    Informações: (67) 3383-3151

    Atendimento: segunda-feira a sábado às 06h30 às 18h30; domingo e feriado das 06h às 12h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros de Compras Shopping Campo Grande
    Descrição:

    O Shopping Campo Grande é o mais completo centro de compras e lazer de Campo Grande, a capital de Mato Grosso do Sul, estado brasileiro que abriga 75% da área do Pantanal, um dos mais importantes sítios de biodiversidade do planeta.

    Localizado na Avenida Afonso Pena, principal via urbana de Campo Grande, o Shopping Campo Grande oferece uma estrutura completa num prédio climatizado de dois pisos com iluminação zenital, escadas rolantes, elevador, segurança e o conforto de estacionamento eletrônico controlado para 1.900 vagas simultâneas.


    As portarias do Shopping abrem diariamente às 10h, mesmo nos feriados. E só fecham após o término da última sessão do Cinemark.


    Localização: Av. Afonso Pena, 4329

    Informações: (67) 3389-8000

    Atendimento: segunda-feira a domingo, das 10h às 22h;domingo praça de alimentação das 10h às Horários: 22h; lojas, das 14h às 20h

    Confira as Fotos:

    Expandir/Recolher
  • Roteiros de Compras Shopping Norte Sul
    Descrição:
    teste
    Expandir/Recolher
  • Roteiros Culturais Armazém Cultural
    Descrição:

    Com a finalidade de armazenar produtos que eram transportados pela via férrea, o Armazém foi construído em 1938. Reinaugurado em 15 de setembro de 2004, depois de ampla reforma, com a denominação de Armazém Cultural, o imóvel faz parte do complexo arquitetônico da Esplanada da Ferrovia de Campo Grande.

    A restauração deste edifício oferece aos campo-grandenses mais uma opção de espaço amplo, adaptado para a realização de eventos sociais, culturais e promocionais, com capacidade para receber cerca de mil pessoas.

    Em seu interior foram construídos dois conjuntos de sanitários amplos em ambos os lados, uma copa/cozinha de apoio para festas, palco para apresentações e mezanino. Nesse ambiente, foram também instalados 125 metros de duto para refrigeração, com equipamentos de ar condicionado e para maior eficiência na refrigeração do ar, as 18 portas foram vedadas com vidro temperado, preservando a estrutura original do edifício.

    Com dimensões de 11,5m. x 125,90., o Armazém Cultural possui pouco mais de 1.440m2 de área livre, totalizando cerca de 1.520m2 de área construída.

    O Salão não possui forro, deixando aparentes as tesouras de madeira, as telhas e um duto circular do ar condicionado.

    De acordo com a lei nº 4.357 de 27 de dezembro de 2005, sua denominação passa a ser ARMAZÉM CULTURAL HELENA MEIRELES.


    Informações: (67) 3314-3227

    Expandir/Recolher
  • Roteiros Culturais Casa do Artesão
    Descrição:

    O imóvel, situado na confluência das avenidas Afonso Pena e Calógeras, foi concebido pelo construtor Francisco Cetaro para utilização residencial e comercial. Na década de 1920 sediou a primeira agência do Banco do Brasil na cidade e posteriormente, de 1939 a 1974, o imóvel da Exatoria Estadual. Em 1975 o Governo do Estado de Mato Grosso inaugurou no local a Casa do Artesão. Em 1988, teve início um processo de revitalização de seus espaços e restauração de sua fachada para a reinauguração da Casa do Artesão, em setembro de 1990. O local integra o patrimônio histórico cultural pelo decreto estadual n.7.863, de 13 de junho de 1994. A Casa do Artesão de Campo Grande tem como objetivo principal desenvolver serviços públicos que auxiliem e fomentem as atividades artesanais no Estado de Mato Grosso do Sul. Construída entre 1918 e 1923 sob as ordens de Francisco Cetraro e Pasquele Cândida, com projeto do engenheiro Camilo Boni, a Casa do Artesão foi inaugurada em 1 de setembro de 1975, reinaugurada em 1990 após restauração e revitalização. A edificação é tombada como patrimônio histórico estadual.


    Casa do Artesão de Campo Grande

    Telefone: (67) 3383-2633

    Endereço: Av. Calógeras, 2050 - Centro

    Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira das 8h às 18h e sábado das 8h às 12h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros Culturais Estação Ferroviária
    Descrição:

    Antiga Moradia dos Funcionários da Rede Noroeste do Brasil, a Estação Ferroviária, construção de 1914,foi o marco da chegada do progresso à região.


    Localização: Av. Calógeras - Esplanada da Ferrovia

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros Culturais Memorial da Cultura Indígena
    Descrição:

    Um dos mais recentes pontos de atração da cidade é o Memorial da Cultura Indígena, construído na aldeia indígena que abriga cerca de uma centena de famílias, no loteamento Marçal de Souza. Local de exposição e comercialização de produtos artesanais, o conjunto do Memorial é formado por duas grandes ocas onde foi utilizado material renovável, com palha de Bacuri.


    Localização: Rua Terena, s/n - B. Manoel de Souza

    Informações: 3314-3544

    Atendimento: diariamente, das 08h às 18h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Roteiros Culturais Morada dos Baís
    Descrição:

    Um dos primeiros sobrados edificados em alvenaria na cidade foi a Morada dos Baís, construída entre 1913 e 1918 para residência da família de Bernardo Franco Baís. Após sua morte, o prédio foi utilizado para hotelaria, a partir da década de 1940 quando ali foi instalada uma pensão administrativa por Nominando Pimentel, razão pela qual o local passou a ser conhecido como Pensão Pimentel. Em 1947 um incêndio consome o madeiramento de cobertura o piso original do Prédio. No final da década de 1970 deixa de ser pensão e passa a ser utilizado para diversas atividades comerciais. Suas instalações foram consideradas patrimônio histórico do município pelo decreto de tombamento nº 5.390, de 4 de junho de 1986 e a então Pensão Pimentel foi mais tarde, incorporada á Municipalidade, em permuta com os herdeiros. No processo de restauração, em 1994, foram recuperados afrescos pintados em paredes internas do prédio, por Lídia Baís, filha de Bernardo Franco Baís. Em 1995, sob a denominação de Morada dos Baís o local foi aberto ao público com a proposta de se tornar um novo espaço cultural para a Capital. Situada no centro da cidade, na esquina da Avenida Afonso Pena com a Avenida Noroeste, dispõe de setores de informação e exposições mantidos pela Fundac, Sebrae e universidades.


    Localização: Avenida Noroeste, 5.140.

    Informações: (67) 3324-5830

    Atendimento: terça-feira à sábado, das 08h às 19h; domingo, das 09 às 12h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Praças Praça Ary Coelho
    Descrição:

    No centro da cidade, entre a Avenida Afonso Pena e Ruas 14 de Julho, 13 de Maio de 15 de novembro, a Praça Ary Coelho ocupa o local do primeiro cemitério do Arraial de Santo Antonio que, como era costume da época, ficava nas imediações da Igreja. Em 1909, com o novo traçado urbano do Eng. Nilo Javari Barém, a praça foi instalada como nome de Dois de Novembro; passando, em 1915, a ser reconhecida como Jardim, ou Praça Municipal. Na década de 1920, foi Praça da Independência e, no inicio dos anos 30, Praça da Liberdade. Em 1922, ocorre uma remodelação do local com canteiros, plantio de árvores e construção de um coreto e pérgula implantando-se, em 1925, o Pavilhão do Chá com a finalidade de diversificar o lazer na cidade. Em 1957, passa a funcionar ali a Biblioteca Municipal. O logradouro recebeu a denominação de Praça Ary Coelho em 1954, em homenagem ao Prefeito de Campo Grande, assassinado em 1952, em Cuiabá.


    Localização: Avenida Afonso Pena com Rua 14 de Julho.

    Expandir/Recolher
  • Praças Praça Cuiabá
    Descrição:

    O ponto de confluência das Ruas Dom Aquino, Marechal Rondon, Sargento Cecílio Yule e Avenida Duque de Caxias teve traçado topográfico para sediar um logradouro em 1923, sendo ali instalado um Coreto, em 1925. Somente em 1960, foi construída a praça conhecida como Cabeça de Boi, nome dado pela população desde que um açougueiro colocou uma caveira de bovino na porta do seu estabelecimento. O local serviu também para atividades culturais, tornando-se para fazendeiros ponto de comercialização para seus rebanhos de gado. Em 1996, a Praça Cuiabá passou por uma remodelação adequando-se o espaço para o lazer.


    Localização: Rua Dom Aquino com Avenida Duque de Caxias.

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Praças Praça das Araras
    Descrição:
    No início da década de 1960, foram inauguradas o Mercado Municipal Antonio Moreira Alves e a então conhecida Praça da União, em área entre as Ruas João Rosa Pires e Terenos. Com a construção do complexo Cabeça de Boi, em 1996, a praça foi totalmente remodelada com a instalação de espelho dágua, quadra polivalente, parque infantil e um monumento, idealizado pelo artista plástico Clair Ávila para estimular a preservação da ave em extinção e que passa a ser atração, denominado o novo local: PRAÇA DAS ARARAS.

    Localização: Entre Rua João Rosa Pires e Rua Terenos. Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Praças Praça do Rádio Clube
    Descrição:

    Por volta de 1915, a área situada entre as Ruas Pe. João Crippa, Pedro Celestino, Barão do Rio Branco e Avenida Afonso Pena, propriedade de Fernando Novaes, foi concedida por aforamento perpétuo, a Santo Antonio e Nossa Senhora Abadia. Destinado à construção da Matriz da cidade, o local permaneceu apenas como praça da Diocese até efetivação de permuta com a Prefeitura para a construção do logradouro, em 1961. Em 26 de agosto de 1962, a Praça da República foi inaugurada e, em 1977, com a divisão do Estado, recebeu a denominação de Praça Presidente Ernesto Geisel, numa homenagem pela criação do novo Estado. Tornou-se a chamar Praça da República e, em 15 de outubro de 1997, passa à denominação de Praça do Radio Clube. Ao longo do tempo, foi ali implantado a estátua de Vespasiano Barbosa Martins, o Monumento da imigração Japonesa, placa de bronze alusiva a Pedro Pedra e o Espaço Monumento Infinito e Vibração Cósmica. Em maio de 2000, após revitalização, a praça recebe novo paisagismo além de palco, parque infantil e quiosque da arte.


    Localização: Avenida Afonso Pena com Rua Pe. João Crippa.

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Praças Praça dos Imigrantes
    Descrição:

    Um dos mais recentes pontos de encontros da Capital é a Praça dos Imigrantes, situada entre as ruas Rui Barbosa, Joaquim Murtinho e Barão do Melgaço. Recentemente remodelado, o logradouro oferece espaços adequados para permanente exposição e venda de produtos artesanais. Foi denominada Praça Costa Marques, em homenagem à autoridade mato-grossense e, posteriormente, Praça dos Imigrantes porque se tornara local de reunião dos que aqui se fixavam.


    Localização: Rua Rui Barbosa com Rua Joaquim Murtinho.

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Praças Praça Oshiro Takimori - Feira Indígena
    Descrição:

    A conhecida Praça do Mercado, localizada entre as Ruas 7 de Setembro e 26 de Agosto, em frente ao Mercado Municipal Antonio Valente, foi inaugurada em 28 de agosto de 1960 com o nome de Praça João Pedro de Souza. A partir de 1964 passa a denominação de Praça Oshiro Takimori, em preito a um dos grandes impulsionadores do desenvolvimento do Estado. Com a reforma efetivada em 2000, ampliou-se a área destinada à venda de produtos agrícolas oriundos de colônias indígenas, ali comercializados.


    Localização: Rua 26 de Agosto com Avenida Noroeste.

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Museus Museu da Arte Contemporânea - MARCO
    Descrição:

    O Museu de Arte Contemporânea - MARCO foi criado em 1991. Seu acervo tem origem na Pinacoteca Estadual, com os prêmios aquisitivos dos salões de arte realizados a partir de 1979 e, mais tarde, através de doações espontâneas de artistas, colecionadores e instituições culturais. Atualmente compõe-se de aproximadamente 900 obras em diversas modalidades artísticas, incluindo um conjunto significativo de obras que registram o percurso das artes plásticas em Mato Grosso do Sul, do princípio aos dias atuais. Localizada no Parque das Nações Indígenas, extensa área verde da cidade reservada para atividades de lazer, o museu possui uma área construída de 4000m2, e dispõe de 5 salas de exposição, sendo uma com mostra permanente de obras de seu acervo e 4 salas para as mostras temporárias que compõem sua programação anual. O setor educativo, em sintonia com as abordagens atuais da arte-educação, conta com 3 salas para as atividades práticas com escolas e grupos no complemento didático às visitas orientadas às exposições, além de cursos de iniciação em arte para crianças, jovens e adultos; assim como um equipado atelier para o desenvolvimento de técnicas de gravura. O museu possui ainda um auditório com capacidade para 105 pessoas e uma biblioteca específica em artes plásticas, com material para pesquisa e formação de estudantes, arte-educadores, artistas e público em geral. O MARCO através de suas atividades cumpre fundamental papel educativo, democratizando o acesso à arte e aos bens culturais, posicionando-se como importante centro de formação e fomento cultural.


    Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul - MARCO

    Telefone: 3326-7449

    Endereço: Antônio Maria Coelho, 6000 - Parque das Nações Indígenas

    Site: www.marcovirtual.com.br


    Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira das 12h às 18h e sábado, domingos e feriados das 14h às 18h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Museus Museu da Força Expedicionária - FEB
    Descrição:

    Desde março de 1995, a capital de Mato Grosso do Sul, conta com um espaço especial criado com a finalidade de rememorar, resgatar, divulgar e perpetuar a história da Força Expedicionária Brasileira.

    O Museu conta com um riquíssimo acervo doado por ex-combatentes e seus familiares distribuídos em três salas. São armas, petrechos bélicos, fotografias, mapas das regiões de combate, fardamentos, arquivos com documentos históricos, equipamentos, periódicos de campanha, artigos sobre a FEB publicados em jornais da época, mostruário do roteiro da FEB, documentos capturados das tropas alemãs condecorações e objetos utilizados pelos expedicionários e ainda, uma Biblioteca especializada franqueada ao publico.


    Localizado na Avenida Afonso Pena, nº 2270 - Centro, Campo Grande – MS, o MUSEU DA FEB é administrado pelo Coronel R1 Marcos Tadeu de Paula Corrêia.

    Horário de funcionamento: De segunda a quinta das 9h às 11h e das 14h às 16h. Na sexta feira as portas estão abertas das 8h às 11h. A entrada é franca.


    Informações: (67) 3384 8482

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Museus Museu da Imagem e do Som
    Descrição:

    Com a missão “Preservar a memória, educar para o futuro”, o Museu da Imagem e do Som (MIS), unidade da Fundação de Cultura do Estado de Mato Grosso do Sul, tem por finalidade preservar os registros que compõem a memória visual e sonora sul-mato-grossense. O acervo do MIS conta com mais de 8.000 mil itens entre fotografias, filmes, vídeos, cartazes, discos de vinil, objetos e registros sonoros. No último ano, a coordenação do MIS tem contemplado processos e meios híbridos, ao invés de produzir unicamente eventos a partir de suportes convencionais (fotografia, cinema, vídeo), com o objetivo de integrar as expressões artísticas por afinidades ou contrastes poéticos, encontrando lógicas internas que possam costurá-las com outras sutilezas de leitura.

    Programas como Amplificadores de Cultura, Cultura em Situação, Cinema no Museu e Exposições Temporárias promoveram, por meio de estratégias educativas, o acesso aos bens culturais que formam a identidade sócio-histórica do Estado.

    Além disso, desde a sua criação, o MIS tem desenvolvido ações museológicas no sentido de contribuir com a formação e a difusão de conhecimento no Estado, oferecendo à comunidade uma programação diversificada que compreende palestras, oficinas, cursos, seminários, mostras de cinema e exposições.


    Localização: Av. Fernando Corrêa da Costa, 559 • 3º andar, Centro | Memorial da Cultura e da Cidadânia • Apolônio de Carvalho |


    Informações: (67) 3316-9178


    Atendimento: De segunda a sexta-feira das 7h30 às 17h30

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Museus Museu das Culturas Dom Bosco
    Descrição:
    Idealizado pela Missão Salesiana de Mato Grosso, graças à dedicação de alguns salesianos, em especial, Antônio Colbachini (SDB), Felix Zavattaro (SDB), Cesar Albisetti (SDB), Angelo Venturelli (SDB) e o responsável pela obtenção da maior parte do acervo, João Falco (SDB) foi inaugurado oficialmente em 1951, no Colégio Dom Bosco, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, o Museu Regional Dom Bosco que em curto espaço de tempo, tornou-se ponto de interesse nacional e internacional. Ao longo de seus mais de cinquenta anos de vida, o museu ampliou suas coleções e redimensionou suas atividades. Em 1976, foi transferido para a Rua Barão do Rio Branco e ficou sob a direção de João Falco que deu início à organização do acervo. Em 1997, tornou-se um museu universitário, vinculando-se à Universidade Católica Dom Bosco. Abraçando as novas perspectivas ditadas pela museologia contemporânea, o agora denominado Museu Dom Bosco passou a se re-organizar como um espaço interativo e interdisciplinar e este fato impôs a necessidade de redefinir objetivos e adequar o espaço físico à democratização da cultura, perspectiva fundamental de um museu dinâmico capaz de promover o desenvolvimento social, conservar e proteger seu patrimônio cultural. Isto só se tornou possível por meio de uma parceria unindo a Missão Salesiana de Mato Grosso, a Associazione Missioni Don Bosco, sediada em Torino - Itália e o governo de estado de Mato Grosso do Sul. Em novembro de 2006, o acervo foi transferido para o Parque das Nações Indígenas e o museu passou a ser denominado Museu das Culturas Dom Bosco, tornando-se capaz de harmonizar arte e ciência, lógica e poesia, diacronia e sincronia, tese e antítese para determinar o esplendor da novidade de espíritos criadores. Em 2009, abriu oficialmente as portas das exposições de longa duração, dos setores de Arqueologia e Etnologia, à visitação pública.

     

    Localização: Av. Afonso Pena, 7000 - Parque das Nações Indígenas

    Informações: (67) 3326-9788

    Atendimento: Terça à Sexta-feira - 08h às 17h - Sáb, Dom. e feriados 13h às 17h

    Valor único do ingresso de R$ 5,00  - crianças até 7 anos não pagam

    Maiores informações: www.mcdb.org.br

     
    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Museus Museu Jose Antonio Pereira
    Descrição:

    O Museu José Antônio Pereira está instalado na Fazenda Bálsamo, terra doada pelo fundador da cidade a um dos seus filhos, Antônio Luiz Pereira. Em Bálsamo, a pequena casa de pau-a-pique, o monjolo, o silêncio só encontrado na periferia semi-rural da cidade e até mesmo em carro de boi nos remetem ainda à saga construída pelos pioneiros desbravadores do sertão.

    A primeira viagem de um grupo de sonhadores que deixa Monte Alegre, em Minas Gerais, atraído pela notícia da existência de ricas terras na região de Vacaria, hoje Rio Brilhante, consumirá pouco mais de três meses de viagem a cavalo. A comitiva chegara no dia 21 de Junho de 1872 à confluência de dois córregos, que mais tarde seriam chamados de Prosa e Segredo, pois aqueles que se instalaram às margens de um, são fervorosos proseadores; às margens do outro, silentes trabalhadores. Hoje, o Prosa vai gradativamente desaparecendo na paisagem urbana, coberto por lápides de concreto. Naquela empreitada, viajaram com José Antônio Pereira seu filho Antônio Luiz e os ex-escravos João Ribeira e Manoel. São guiados pelo sertanista uberabense Manoel Pinto, que havia participado da Guerra do Paraguai.

    Logo após sua chegada, Pereira regressa a Minas Gerais para buscar a família, alguns amigos e voluntários que estivessem dispostos a unir-se à empreitada para concretizar o sonho de novos horizontes em suas vidas. O fundador da cidade reúne 62 pessoas em sua caravana.

    Aporta definitivamente na região no dia 23 de Junho de 1875. Dá-se início à permanente transformação da paisagem que perdura até hoje. José Antônio Pereira chama o lugar de Arraial Santo Antônio do Campo Grande, em homenagem ao santo de sua devoção. Em 1889, a 23 de Novembro, a lei Estadual número 792 cria o Distrito de Paz de Campo Grande. Em 1899, a resolução número 225, de 26 de Agosto, eleva Campo Grande à categoria de Vila, criando aqui o Município de Campo Grande, desmembrado de Nioaque.

    A 16 de Julho de 1918, Campo Grande é elevada à categoria de cidade tornando-se, anos mais tarde, a capital do Estado de Mato Grosso do Sul, a 11 de outubro de 1977, por força de lei Complementar número 31, sancionada por Ernesto Geisel. A capital instala-se em 1º de Janeiro de 1979.

    Para festejar o centenário da emancipação administrativa da cidade, a municipalidade restaura completamente a sede da Fazenda Bálsamo, com seu monjolo e carro de boi de imemorável data, conjunto tombado como patrimônio Histórico e Cultural da Cidade. No local, o visitante poderá apreciar uma escultura subtraída à sólida rocha e executada pelo artista plástico Índio, um dos ícones da arte sul-mato-grossense, em homenagem ao fundador da futura capital.

    Foi doado em 1966 à Prefeitura Municipal de Campo Grande, por Carlinda, filha de Antônio Luis.

    Em 1999, o Museu foi restaurado permitindo a visitação Pública.


    Endereço: Av. Guaicurus, s/nº

    Fone: (067) 3314-3181

    Obs.: O Museu José Antônio Pereira faz parte do patrimônio de Campo Grande, sendo uma unidade administrativa da Fundação Municipal de Cultura - FUNDAC.

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Parques Parque das Nações Indígenas
    Descrição:

    Localizado nos altos da Avenida Afonso Pena, o Parque das Nações Indígenas ocupa área de cerca de 119 hectares e preserva uma reserva ecológica. O córrego Prosa, cuja nascente está na reserva natural do Parque dos Poderes, forma ali um grande lago que tem uma pequena ilha e um píer. Suas águas cortam toda a extensão do parque, com pontes para travessia. Embora setenta por cento de sua extensão tenha cobertura em grama, o Parque mantém vegetação nativa e núcleos de árvores ornamentais e frutíferas plantadas pelos antigos proprietários. Vários equipamentos urbanos estão previstos para o local destacando-se as atuais instalações do Monumento ao Índio e Museu de Arte Contemporânea, além dos extensos caminhos de circulação utilizados como pistas de caminhadas. A área do logradouro é monitorada por um pelotão montado da Polícia Florestal do Estado, que tem sua sede no interior do parque.


    Localização: Altos da Av. Afonso Pena

    Informações: (67) 3326-2254

    Atendimento: segunda-feira a domingo, das 06h às 21h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Parques Parque do Sóter Francisco Anselmo Gomes de Barros
    Descrição:

    O parque preserva a nascente do córrego Sóter. Proporciona atividade de lazer e educação ambiental. Dotado de pista de caminhada, ciclovia, pista de skate e quadras de esporte.

    Localização: Acesso Principal ? Rua Rio Negro

    Informações: 3352-2030 / 3352-9265

    Atendimento: diariamente, das 08h às 18h

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Parques Parque dos Poderes
    Descrição:

    Numa área de 285 hectares está localizada a reserva ecológica do Parque dos Poderes assim denominado por abrigar os principais órgãos dos poderes executivo, judiciário e legislativo do Estado. Suas primeiras edificações foram implantadas na década de 1980 resultando nos atuais oito blocos administrativos do poder executivos, situados em meio à reserva florestal. Uma vista aérea desse conjunto revela o contorno de uma elipse tendo numa de suas extremidades o Palácio Popular da Cultura, prevendo-se no projeto original a construção do Palácio do Governo, em área ainda disponível na outra extremidade. Nas proximidades estão instalados os prédios da Assembléia Legislativa, Tribunal de Justiça, Palácio das Comunicações, Tribunal Regional Eleitoral, Tribunal de Contas e Quartel da Policia Militar, além de sede para clubes de servidores. As Ávenidas Afonso Pena e Mato Grosso dão acesso à reserva que, além de abrigar a nascente de córregos, apresentam extensa área de vegetação nativa onde espécies da fauna regional são preservadas em seu habitat natural.


    Localização: Final das Avenidas Afonso Pena e Mato Grosso.

    Expandir/Recolher
  • Parques Parque Estadual do Prosa - CRÁS
    Descrição:

    Regado pelas águas dos córregos Joaquim Português e Desbarrancado, com uma localização constituída pelas Secretarias e Governadorias da Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, no Parque dos Poderes, com avenidas de circulação (Av.Afonso Pena e Av. Mato Grosso), que permitem acesso ao parque. Atualmente, o Parque Estadual do Prosa (PEP) tem uma área aproximada de 135 ha e altimetrias em torno de 600m, situa-se no Planalto da Serra de Maracaju, dentro do perímetro urbano da capital do Estado.Está localizado no domínio dos Cerrados (chapadões recobertos por cerrado e penetrados por florestas e galerias) e pertence á bacia do Paraná. O parque apresenta basicamente três formações vegetacionais: Cerrado; Cerradão; Mata Ciliar.O Parque conta com: sistema de captação de água da empresa Águas Guariroba, Casa do Zelador, CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), Centro de visitantes, Cantinho do Prosa, Trilhas interpretativas e Portaria central (Av.Afonso Pena).


    Localização: Av: Afonso Pena, s/n - Parque dos Poderes


    Atendimento: Terça a Sábado e somente com horário agendado.


    Informações: 3326-1370

    Expandir/Recolher
  • Parques Parque Florestal Antonio de Albuquerque - Horto
    Descrição:

    Uma resolução de 1912 destinava-se ao Parque Florestal a "reserva dos terrenos da margem direita do Córrego Segredo, prolongamento da Rua Afonso Pena (Atual 26 de Agosto), traçado da NOB e os terrenos de Bernardo Baís". Ao longo do tempo, várias obras e intervenções surgiram nos arredores e hoje, na confluência das Avenidas Fernando Correia da Costa e Ernesto Geisel, as características de um horto mantiveram-se resguardadas pelo trabalho de Antonio de Albuquerque, funcionário municipal que, do local, arborizou outras ruas e praças de Campo Grande.Uma ampla reforma foi realizada no parque e sua estrutura atual é resultado de remodelação efetivada em 1996. O Parque Florestal Antonio de Albuquerque dispõe atualmente de inúmeras opções de lazer com destaque para conchas de mocha e de medalha, parque infantil, pista de skate, teatro de arena, oficinas artísticas e culturais, além da Biblioteca Municipal Profª Ana Luiza do Prado Bastos.


    Localização: Av. Pres. Ernesto Geisel

    Informações: 3314-3691

    Atendimento: terça-feira à sábado das 05h as 20h e dom 05h as 21h; : segunda-feira somente a biblioteca, das 13h Horários: às 17h30

    Expandir/Recolher
  • Igrejas Igreja Presbiteriana Campo Grande
    Descrição:

    Igreja Presbiteriana Campo Grande

    Expandir/Recolher
  • Igrejas Igreja Santo Antônio
    Descrição:

    Igreja Santo Antônio

    Expandir/Recolher
  • Igrejas Igreja São Francisco
    Descrição:

    Localizada: Na rua 14 de julho n.4213

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Igrejas Igreja São José
    Descrição:

    Localizada: Na rua Pedro Celestino n. 1446

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Igrejas Memorial do Papa
    Descrição:

    Construído no local onde o papa João Paulo II realizou uma missa campal, em 2001, o memorial tem um palco em forma de cálice e hóstia e uma escultura do papa João Paulo II com quatro metros.


    Av. dos Crisântemos com Av. Américo Marques - Bairro Santo Amaro

    Expandir/Recolher
  • Igrejas Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
    Descrição:

    Localizada: Na rua Armando de Oliveira n.408

    Confira as Fotos:
    Expandir/Recolher
  • Turismo Rural Fazenda Haras Cachoeira
    Descrição:
    teste
    Expandir/Recolher