Trânsito - Sexta-Feira 21 de Janeiro de 2011

Agetran recebe avaliação positiva sobre ações do “Vida no Trânsito”

Foto:David Majella  


As ações do trânsito desenvolvidas pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) receberam avaliação positiva, no primeiro dia de reunião da equipe que avalia e acompanha e demais parceiros, diante da amostragem apresentada pela equipe técnica da Prefeitura.

O acompanhamento externo é feito por representantes do Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e o conselheiro do Gerenciamento de Fatores de Risco e Segurança Viária no Trânsito (GRSP).

Avaliação positiva - De acordo com o representante da GRSP, José Cardita que tem acompanhado desde 2009 as estratégias de trabalho e ações desenvolvidas para combater a violência no trânsito, a Capital tem apresentado uma melhoria muito expressiva na redução de acidentes graves e óbitos.

“Entre os países americanos, Brasil e México foram escolhidos para realização destas ações e Campo Grande, com o trabalho multissetorial realizado de forma contínua, poderá alcançar em pouco o status de referência nacional em mudança de hábitos dos condutores e pedestres”, elogiou o consultor.

Segundo informações do representante do Ministério da Saúde, Luiz Otávio Maciel Miranda, este movimento de alcance internacional começou a tomar consistência em 2004, quando a OMS comprovou uma situação de crise mundial no trânsito. “Campo Grande faz parte de um grupo de cidades que se antecipou em apresentar um projeto de educação no trânsito e recebendo recursos para iniciar atividades ou continuar as que já estão em funcionamento”, declara.

Maciel Miranda comentou, ainda, que 16 cidades participam do projeto “Vida no Trânsito” e a liberação contínua de recursos, na ordem de R$ 170 mil, só acontece de acordo com as metas atingidas. “Nestes dois dias avaliaremos os dados referentes a uma amostragem de 260 acidentes graves ou com óbitos, ocorridos entre julho e setembro de 2010, para então orientar as próximas atividades”, detalhou Miranda.

Para o representante do Ministério no projeto Vida no Trânsito e do RS10, Victor Pavarino um dos fatores que deram visibilidade a Capital de Mato Grosso do Sul foi a receptividade da Prefeitura de Campo Grande, dos órgãos públicos responsáveis pelo trânsito e das entidades não governamentais que têm trabalho constantemente, no sentido de prevenir a ocorrência de acidentes. “A administração pública está de parabéns pelo trabalho realizado até o momento, pois a dedicação e interação entre os parceiros têm conscientizado a população sobre as conseqüências de se abusar da velocidade ou dirigir sob efeito de álcool”, elogiou Pavarino.

Na avaliação do diretor-presidente da Agetran, Rudel Espíndola Trindade Júnior um dos grandes erros encontrados nas ações de segurança no trânsito é a falta de um programa educacional continuado. “Ações pontuais ajudam, mas não resolvem, pois o cotidiano agitado faz com que os motoristas cometam infrações involuntárias. Desta forma, o “Vida no Trânsito” está mostrando o resultado positivo de ações conciliadas entre os organismos públicos e representantes da sociedade, além de conceder informações valiosas sobre o perfil do motorista, seus hábitos e atitudes frente às leis de trânsito”, concluiu Rudel Trindade.

 

Fonte/Autor: Aline Oliveira Mtb/MS 044

  • Texto sobre esta imagem